Objetivo foi o de discutir melhorias no acompanhamento a pacientes

O prefeito de Ubatuba, Délcio Sato (PSD), reuniu-se com diversos representantes da Associação de Pais do Espectro Autista de Ubatuba (APEAU) na tarde da última quarta-feira, 10. No encontro, a presidente da associação, Eliza Gomes Araújo, apresentou uma série de reivindicações em relação ao acompanhamento de crianças autistas no município.

Participaram da reunião os secretários de Saúde, Roberto Tamura, e da Educação, Flávia Nascimento, e integrantes das equipes dessas respectivas secretarias, bem como da secretaria de Esportes de Ubatuba.

A médica psiquiatra, dra. Marcela Pellegrino, explicou que Ubatuba é referência em psiquiatria infantil para o Litoral Norte. “Nosso Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) atende também crianças de Caraguatatuba, Ilhabela e São Sebastião e consegue realizar o diagnóstico precoce da doença, antes dos 3 anos. Porém o município ainda não tem estrutura capacitada para o acompanhamento posterior, como a quantidade suficiente de fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, psicólogos especializados, além de atividades esportivas”, informou.

Segundo os dados apresentados na reunião, após o retardo mental, o autismo é o segundo tipo de transtorno que mais atinge as crianças pacientes do CAPS. Dependendo do tipo de caso, elas são encaminhadas para acompanhamento pelo projeto Ciranda, da Educação, pela Unir ou pelo NASF, mas em casos mais graves não há serviço especializado para o atendimento, enfatizaram vários presentes.

Pais relataram também a necessidade que haja um auxiliar sempre nas salas de aula e a continuidade dos profissionais, tanto da saúde quanto da educação, para que não haja regressão no tratamento. Para isso, uma das reivindicações da APEAU é a de que seja criada uma clínica-escola em Ubatuba, que também seja um ponto de orientação para os pais. Outra demanda apresentada é a de se criar uma carteirinha que identifique que os autistas também são pessoas com deficiência e, portanto, têm os mesmos direitos que pessoas com deficiência física.

Entre os encaminhamentos da reunião, estão articular um fórum amplo, que reúna as diferentes entidades da sociedade civil e projetos que atuam com pessoas com deficiência no município bem como integrantes do poder público, elaborar um cronograma conjunto de ações e avançar no levantamento de dados sobre o autismo. Também foi proposta a organização de um grupo de apoio aos pais de autistas no CAPS e o uso desse espaço para reuniões sobre o tema.

“É importante também sentarmos com os prefeitos do Litoral Norte para discutir uma proposta de atendimento e seguimento em rede para as crianças autistas das quatro cidades”, destacou o prefeito Sato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *