Operação proxeneta combate à exploração sexual em casas de prostituição em Caraguatatuba

Após algumas denúncias sobre exploração sexual em Caraguatatuba, foi realizada a operação Proxeneta, tendo como responsável pelo caso o delegado Tadeu Castro.

Com o objetivo de combater a exploração sexual na região, 1ª fase da operação começou através de uma série de denúncias sobre casas de prostituição. De acordo com a Polícia Civil, foi feito um compilado das provas e foi iniciado um trabalho de campo. Nesta investigação foi empregada diligencias externas, fotografias, campanas, imagens extraídas da internet, pesquisas digitais, sites que promovem prostituição, e após esse trabalho foi mais fácil identificar quais eram as casas.

Diante do relatório de investigação feito pela PC, o delegado Tadeu Castro representou judicialmente pelo mandado de busca e apreensão. O Ministério Público concordou com o pedido do Delegado, o Juiz Deferiu e expediu o mandato de busca. A partir desta data, foi deflagrado no dia 29 de janeiro deste ano, a primeira fase da operação, onde a polícia civil visitou todas as casas denunciadas.

Na segunda fase foi feito uma busca em outras casas. Em todas as 4 casas denunciadas, nas 3 fases da operação, o delegado com sua equipe, apreende muitas provas.  A polícia científica de São Sebastião fotografou o local e recolheu provas. Foram apreendidos, diversos celulares, aparelhos de dvr contendo imagens de câmera, notebooks, maquininhas de cartão com identificação do proprietário. Além disso, em todas as casas foi encontrado muitas camisinhas, teve lugar que foi recolhido mais de 500 camisinhas. Todos os preservativos recolhidos são distribuídos gratuitamente pelos postos de saúde; centenas de géis lubrificantes, e até camisinhas usadas.

Foto: Polícia Civil

Diante de todas as casas e diante de todas provas testemunhais, de 3 a 4 garotas e garotos de programa, todos eles confirmaram que faziam programa nas casas e repassavam o valor do programa para as casas. Alguns deles disseram que é a título de aluguel dos quartos, outros disseram que é lucro direto, onde a casa oferte com o programa deles. Em um dos casos, 2 das 4 pessoas trazidas para depor, disseram que a casa pegava mais da metade do valor do programa.

Diante de tudo isso, o delegado, Tadeu Castro, chefe da operação Proxeneta, está convicto que as 4 casas trata-se de casas de prostituição e lucram em cima das garotas e garotos da região. “É exatamente essa exploração sexual, ou seja, você lucrar com o sexo do próximo, que a gente combate aqui”, informou Tadeu.

Das 30 pessoas ouvidas na delegacia, alguns proprietários foram indiciados, pelos crimes de casa de prostituição, facilitação a prostituição, e também por rufianismo, que no popular significa cafetinagem, 2 termos circuncisais de porte de entorpecentes, representação de prisão preventiva por um dos proprietários de uma das casas, tendo uma das casas embargada pela vigilância sanitária.

Proxeneta

Segundo pesquisas, proxeneta, vulgarmente conhecido por cafetão ou rufião no Brasil e por chulo em Portugal, é alguém que pratica o proxenetismo, ou seja, procura e administra clientes para uma prostituta, além de facilitar a sua prostituição, seja em bordéis ou na prostituição de rua, de modo a ganhar uma parte de seus rendimentos.

Costumeiramente, um proxeneta não força prostitutas a ficarem com ele, embora alguns poucos recorram ao uso da força para mantê-las submissas e/ou maximizar seus lucros. Um proxeneta também costuma oferecer proteção a suas prostitutas de clientes abusivos e de proxenetas e prostitutas rivais. A prática é ilegal na maior parte dos países, atualmente.

 Fonte: Jornal Impresso Deu B.O 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *