Uma casal de baloeiros foi preso em flagrante por uma equipe do Policiamento Ambiental da Polícia Militar, após confessarem que estavam se preparando para soltar balão nas proximidades das obras do contorno Sul no bairro do Pegorelly na tarde deste domingo (23/06).  Veja vídeo

Segundo informou a 3ª Companhia de Polícia Militar Ambiental Terrestre do 3° Batalhão de Policiamento Ambiental do Estado de São Paulo, durante “Operação Corpus Christi”, deslocaram-se até a Estrada da Porteira Preta no bairro Pegorelli, após receberem informações de soltura de balão.

No local os infratores foram avisados da presença da polícia ambiental e dispersaram-se, em ato contínuo nas imediações da via citada, mais precisamente pela obra do Contorno Sul da Nova Rodovia dos Tamoios, pelo bairro Pegorelli, visualizaram um veículo estacionado, em abordagem policial localizaram partes de um balão (bandeira), 02 rolos de barbante, 01 botijão de gás e um maçarico espalhados pelo chão.

Fotos: Polícia Ambiental

O casal foi levado para a delegacia de Caraguatatuba onde foi aplicado uma multa por crime ambiental no valor R$20.000,00, o boletim de ocorrência foi laborado com base no artigo 42 da lei federal 9.605/98 e apreendeu os apetrechos. Depois de serem ouvidos o casal foi liberado.

Soltar balões 

Segundo ainda informou a polícia, o maior problema dos balões está na combinação de estopa, papel de seda e materiais inflamáveis, parafina e querosene, aquecidos em seu interior.

Tradicionais em nossa cultura, os balões estão associados às festas juninas e quermesses repletas de dança de quadrilhas e vinho quente. Mesmo com a divulgação dos perigos que representam, é nesta época do ano que a prática de soltar balões aumenta – e os problemas também. Nos meses de junho e julho, o ar fica mais seco e facilita a propagação de incêndios, principalmente florestais, que danificam ainda mais a fauna e a flora, mesmo em áreas urbanas.

Além do fogo, a queda de um balão pode interromper o fornecimento de energia ao danificar linhas de transmissão e causar incêndios nas áreas urbanas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *