Silvana Lima e Lucca Mesinas vencem o corona Open Montañitas Surf City no Equador

Foto: Enrique Rodriguez

Corona Open Montañita Surf City apresentado por Hyundai New Tucson 2022 foi encerrado com chave de ouro no domingo de ondas excelentes, em Montañita, na Província de Santa Elena, no Equador. O último dia foi um show de surfe em cada bateria desde as quartas de final e os títulos foram conquistados por dois surfistas que vão disputar as Olimpíadas de Tóquio 2020 no Japão. A brasileira Silvana Lima derrotou a havaiana Summer Macedo com uma nota 9,00 e o peruano Lucca Mesinas superou o brasileiro Edgard Groggia, com um 9,50, também, na última onda que surfou. Na quarta-feira já começa outra etapa do QS 1000 no Equador, o Corona Open Salinas Surf City apresentado por Hyundai New Tucson, em Salinas.

“Foi um campeonato incrível e eu sempre falei para a Mimi (Dominic Barona), que um dia eu queria competir aqui na casa dela, porque essas ondas são incríveis, então chegou o dia e vou levar esse título com muito carinho para o Brasil”, disse Silvana Lima. “Essa é a segunda vez que faço final com a Summer (Macedo). A outra foi na Bahia, no Brasil, onde também ganhei e aqui me sinto como se estivesse em casa. A Mimi é uma grande amiga, somos como irmãs, então estou muito feliz com essa vitória aqui e tem mais um aí na próxima semana”.

Silvana mostrou estar em plena forma, fazendo grandes apresentações nas três baterias que disputou no domingo. A primeira foi contra a jovem promessa do surfe brasileiro, Tainá Hinckel. A catarinense deu trabalho, mas a cearense que foi top da elite mundial até 2019, sacramentou a vitória com uma nota 8,25, na última onda. Depois, teve o clássico olímpico com a grande amiga e igualmente bicampeã sul-americana da WSL Latin America, Dominic Barona.

SEMIFINAL OLÍMPICA – A equatoriana competia em casa e tinha passado pela argentina Josefina Ané, somando 16,00 pontos, com notas 8,50 e 7,50, jogando fora um 7,00 do seu impressionante ataque vertical de backside, nas direitas do pointbreak de Montañita. Pena que a semifinal olímpica contra Silvana Lima não teve tantas ondas boas. O máximo que a surfista, que vai representar o Equador nas Olimpíadas, conseguiu foi um 7,25, enquanto a brasileira destruiu uma onda com duas manobras explosivas de frontside que valeram nota 9,00.

“Foi incrível pra mim surfar com a Silvana. Ela é como uma irmã, uma das minhas melhores amigas e nós tentamos fazer nosso melhor. Não completamos algumas manobras, o mar estava difícil lá dentro, as ondas um pouco gordas, mas estou feliz”, disse o maior nome do surfe equatoriano, Dominic Barona. “Não poderia estar mais feliz, com todo meu povo me apoiando para ganhar, então só tenho que agradecer. Eu tive um acidente e nem achava que poderia competir nesse evento, mas cheguei nas semifinais, então foi muito bom. Agora é corrigir os erros que cometi e vamos com tudo para a próxima”.

Dominic continua na porta de entrada do grupo das cinco primeiras no ranking da WSL Latin America, que serão indicadas para disputar vagas na elite da World Surf League, nas etapas do Challenger Series. Ela entraria na lista se vencesse o Corona Open Montañita Surf City na sua praia. Mesmo assim, se aproximou do G-5, com o terceiro lugar no evento e pode confirmar sua classificação na próxima etapa em Salinas.

DECISÃO FEMININA – Na decisão do título, também não entraram muitas ondas boas. A havaiana Summer Macedo já tinha passado por duas brasileiras, Julia Duarte, nas quartas de final e Nairê Marquez nas semifinais, sempre dominando os confrontos com as maiores notas de uma boa escolha das melhores ondas. Na final, também, foi assim começando forte com seu frontside vertical, ganhando nota 7,50, na primeira onda. Silvana falhou nas primeiras que surfou e quando conseguiu um 5,00, Summer respondeu com 4,25 para se manter na frente.

Depois veio uma longa calmaria e Silvana só pegou uma onda boa quando restavam 3 minutos para o término. Ela começa com uma longa cavada para mandar um batidão forte no crítico da onda, emendando com um roundhouse com estilo, floater, rasgada e mais um pancadão na junção, cerrando os punhos na finalização. Ficou a expectativa pela nota e ela saiu 9,00, que sacramentou a vitória por 14,00 a 11,75 pontos.

VAGAS NO CHALLENGER SERIES – Com o título, Silvana pulou do quinto para o segundo lugar no ranking da WSL Latin America, praticamente garantindo sua vaga no Challenger Series. A liderança continua com Daniella Rosas, com a também peruana Sol Aguirre em terceiro lugar, a argentina Josefina Ané em quarto e em quinto outra peruana, Anali Gomez, que não foi competir no Equador. Ela tem 1.500 pontos e Dominic Barona está com 1.350 em sexto lugar.

Já o vencedor do título masculino do Corona Open Montañita Surf City apresentado por Hyundai New Tucson, o peruano Lucca Mesinas, é filiado na WSL North America e não pontua no ranking regional da WSL Latin America. O brasileiro Edgard Groggia precisava da vitória para entrar no grupo dos 10 indicados para o Challenger Series, mas se aproximou bastante da zona de classificação com o vice-campeonato na primeira das duas etapas do QS 1000 no Equador.

SHOW DE SURFE – Os dois finalistas deram um show em cada uma das três baterias que disputaram no domingo de altas ondas em Montañita. O campeão Lucca Mesinas começou a campanha do título derrotando Samuel Pupo, com duas notas 7,00. A semifinal contra Marcos Correa foi uma verdadeira batalha de gigantes, com ambos fazendo grandes manobras e ganhando notas excelentes. O peruano venceu com o maior placar do campeonato, 17,15 pontos somando notas 8,65 e 8,50, contra 15,90 das notas 8,50 e 7,40 do brasileiro.

Na grande final, Lucca Mesinas começou bem com nota 7,00 na primeira onda e Edgard Groggia, também, surfou uma boa onda que valeu 6,25. O brasileiro ficou mais ativo, enquanto o peruano foi mais seletivo. Quando Edgard destruiu uma onda para receber nota 7,50, Lucca respondeu com um ataque incrível nos pontos mais críticos de uma direita enorme, conectando uma manobra na outra com força e fluidez, para arrancar a maior nota de todo o campeonato, 9,50. O brasileiro ainda tentou a vitória várias vezes e o máximo que conseguiu foi 7,90. Lucca Mesinas nem surfou mais e festejou o título por 16,50 a 15,40 pontos.

“Estou muito feliz por vencer este campeonato, com tantos bons surfistas, mas eu competi tranquilo e consegui pegar boas ondas nas baterias”, disse Lucca Mesinas, que mora no norte do Peru e sempre vai para Montañita treinar nas direitas. “Todas as baterias foram bem difíceis, contra brasileiros que surfam muito bem e nesta final eu já estava cansado. Mas, me mantive concentrado para pegar as ondas certas. Quero mandar um saludo para todas as pessoas do Peru e agora vamos com tudo para Salinas, tentar outro bom resultado lá”.

PASSANDO PELOS LOCAIS – Apesar da derrota na decisão do título, Edgard Groggia, estava feliz pelo vice-campeonato em sua primeira final em etapas do WSL Qualifying Series. Ele mostrou todo o potencial do seu surfe ganhando duelos incríveis no domingo, contra os dois equatorianos locais de Montañita. O primeiro foi Alex Suárez nas quartas de final, quando começou bem com nota 8,75, que somou com 6,60 para vencer por 15,35 a 14,50 pontos.

A semifinal foi outra batalha, com Jonathan Zambrano largando na frente com nota 8,00, na primeira onda. Edgard, também, começou bem com 7,25 e assumiu a ponta com um 7,50 em outra onda muito bem surfada. O equatoriano pegou uma boa no final, precisando de 6,75 para passar para a final e manobrou forte com seu backside vertical, mas a nota saiu 6,50 e o brasileiro avançou para a final por uma pequena vantagem de 14,75 a 14,50 pontos.

“Estou feliz pela minha performance em todas as baterias que disputei aqui e na final também surfei bem. Não era o resultado que eu esperava, eu queria a vitória, mas o Lucca (Mesinas) surfou bem também, então estou feliz pela minha performance”, disse Edgard Groggia. “Agora vamos para Salinas e espero conseguir outro bom resultado lá, para me classificar para os Challenger Series. Eu dei meu máximo aqui, dei literalmente meu sangue, estou feliz e vamos para a próxima”. 

Corona Open Montañita Surf City apresentado por Hyundai New Tucson 2022 no point break de Montañita, foi transmitido ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e www.wsllatinamerica.com e pelo aplicativo grátis da World Surf League, clicando em EVENTS e QS. Na quarta-feira começa a segunda etapa seguida do QS 1000 no Equador, o Corona Open Salinas apresentado por Hyundai New Tucson 2022 na Playa de La FAE, em Salinas, também, na Província de Santa Elena.

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO CORONA OPEN MONTAÑITA SURF CITY:

Campeã: Silvana Lima (BRA) com 14,00 pontos (notas 9,00+5,00) – US$ 2.000 e 1.000 pontos

Vice-campeã: Summer Macedo (HAV) com 11,75 pontos (7,50+4,25) – US$ 900 e 800 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 550 e 650 pontos:

1.a: Summer Macedo (HAV) 14.50 x 9.00 Nairê Marquez (BRA)

2.a: Silvana Lima (BRA) 15.55 x 11.25 Dominic Barona (ECU)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 250 e 500 pts:

1.a: Summer Macedo (HAV) 13.75 x 11.50 Julia Duarte (BRA)

2.a: Nairê Marquez (BRA) 11.30 x 11.00 Sol Aguirre (PER)

3.a: Dominic Barona (ECU) 16.00 x 11.30 Josefina Ané (ARG)

4.a: Silvana Lima (BRA) 15.25 x 12.15 Tainá Hinckel (BRA)

DECISÃO DO TÍTULO MASCULINO:

Campeão: Lucca Mesinas (PER) – 16,50 pontos (9,50+7,00) – US$ 2.000 e 1.000 pontos

Vice-campeão: Edgard Groggia (BRA) – 15,40 pontos (7,90+7,50) – US$ 900 e 800 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 550 e 650 pontos:

1.a: Lucca Mesinas (PER) 17.15 x 15.90 Marcos Correa (BRA)

2.a: Edgard Groggia (BRA) 14.75 x 14.50 Jonathan Zambrano (ECU)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 250 e 500 pts:

1.a: Marcos Correa (BRA) 16.75 x 12.45 Jose Gundesen (ARG)

2.a: Lucca Mesinas (PER) 14.00 x 12.15 Samuel Pupo (BRA)

3.a: Jonathan Zambrano (ECU) 10.85 x 10.10 Luan Carvalho (BRA)

4.a: Edgard Groggia (BRA) 15.35 x 14.50 Alex Suarez (ECU)

TOP-20 DO RANKING 2021 DA WSL LATIN AMERICA:

01: Wiggolly Dantas (BRA) – 8.600 pontos

02: Jadson André (BRA) – 8.500

03: Alonso Correa (PER) – 7.625

04: Ian Gouveia (BRA) – 6.500

05: Thiago Camarão (BRA) – 6.250

06: João Chianca (BRA) – 4.835

07: Weslley Dantas (BRA) – 4.700

08: Samuel Pupo (BRA) – 4.400

09: Marco Giorgi (URU) – 4.191

10: Rafael Teixeira (BRA) – 4.066

11: Alejo Muniz (BRA) – 3.645

12: Yago Dora (BRA) – 3.575

13: Edgard Groggia (BRA) – 3.525

14: Leandro Usuña (ARG) – 2.850

15: Willian Cardoso (BRA) – 2.775

16: Jessé Mendes (BRA) – 2.750

17: Victor Bernardo (BRA) – 2.525

18: Filipe Toledo (BRA) – 2.500

19: Marcos Correa (BRA) – 2.425

20: Michael Rodrigues (BRA) – 2.300

TOP-10 DO RANKING FEMININO DA WSL LATIN AMERICA:

01: Daniella Rosas (PER) – 2.545 pontos

02: Silvana Lima (BRA) – 2.025

03: Sol Aguirre (PER) – 1.775

04: Josefina Ané (ARG) – 1.770

05: Anali Gomez (PER) – 1.500

06: Dominic Barona (ECU) – 1.350

07: Julia Duarte (BRA) – 1.025

08: Melanie Giunta (PER) – 825

09: Summer Macedo (HAV) – 800

10: Lucia Cosoleto (ARG) – 725

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE: Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo. Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave. Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System. A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo. Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com

Deixe um comentário