Arquivo Arino Sant’Ana de Barros realiza live com escritor Justo Arouca em comemoração ao aniversário municipal

Em comemoração ao aniversário de 164 anos de Caraguatatuba, celebrado em 20 de abril, o Arquivo Arino Sant’Ana de Barros preparou uma live com o escritor Justo Arouca, nesta quinta-feira (15), às 18h, pelo Facebook (facebook.com/arquivopublicodecaraguatatuba).

Durante a live, Arouca divulgará seu novo livro, “Sabiá Laranjeira”, baseado em depoimentos de vítimas da catástrofe de 1967, que devastou Caraguatatuba após fortes chuvas que causaram deslizamentos na Serra do Mar.

Participam do encontro como mediadores a historiadora Denise Lemes, Eduardo Gonçalves Ueda, bacharel em Ciência Política e Sociologia, licenciado em História e mestrando em Ciências Sociais; a Dra. Silvia Regina Paes, o historiador Euclides Vigneron, mais conhecido como Zizinho, e a professora de língua portuguesa Rose Teles, do grupo Memórias e Saberes; o escritor e músico Silvio Rangel de Oliveira, o jornalista Pitágoras Bom Pastor de Medeiros e a assistente social Dorcas Nascimento Di Salvo, representando o Fieira de Timbopeva.

Sobre Justo Arouca

Justo Arouca é natural de Caraguatatuba, formado em Direito pela faculdade de Taubaté, com especialização em Direito Administrativo. Aposentado como Procurador Regional do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), no Vale do Paraíba, estudou literatura, em nível colegial e história da arte e folclore no Instituto João Cursino, de São José dos Campos, onde também participou como membro do Grêmio Estudantil Castro Alves (GECA).

Arouca é autor das obras: ‘Clube XV – Sua Última Jogada’; ‘Águas de Março’, sobre a catástrofe de 1967; ‘Memorial de sua Excelência’, que conta sobre a história política de Caraguatatuba e ‘Caminhos do Vale’, que conta a história da regional do DER, em Taubaté, pelos seus 70 anos de existência.

Na imprensa de Caraguatatuba, atuou como redator e articulista do Jornal A Voz do Litoral, e em Ubatuba atuou no Jornal A Tribuna de Ubatuba e como articulista eventual no jornal A Cidade.

Deixe um comentário