Campanha incentiva a participação social nas decisões sobre o rol de atendimento dos planos de saúde

Colabore com o Futuro une a sociedade civil, o mercado e a administração pública em torno de um sistema de saúde mais amplo e eficiente

Em tempos de Eleição, os políticos e seus apoiadores se acusam mutuamente por todos os problemas sociais, em especial sobre as políticas públicas de saúde. Os cidadãos interessados no tema votam naqueles candidatos que parecem mais alinhados com seus valores sobre o assunto. Porém, a sensação é que muitos não entendem que, neste tema, a participação da sociedade civil pode (e deve!) ser exercida de forma mais direta, tanto no sistema público quanto o da saúde complementar.

Está acontecendo uma consulta pública que vai definir quais são os tratamentos e tecnologias farão parte do rol de procedimentos dos planos de saúde pelos próximos dois anos já está em andamento. A Colabore Com o Futuro, o primeiro negócio social de advocacy da América Latina, criou a campanha Estamos de Olho ANS para engajar a sociedade civil neste processo democrático que vai até o dia 21 de setembro de 2020.

Um quarto da população brasileira investe parte da sua renda na saúde complementar. Ainda que o Brasil seja o único país com mais de 200 milhões de habitantes com um sistema universal de saúde, o SUS, o brasileiro ainda sente a necessidade de contar com a opção do plano de saúde particular.

Essa parcela representa mais de 47 milhões de pessoas que, embora pague um valor alto pelos serviços, nem sempre tem todas as suas necessidades atendidas prontamente, fazendo com que o país registre um aumento de 130% de demandas judiciais relativas à saúde em um período de dez anos, segundo levantamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O que a sociedade civil precisa saber é que as determinações sobre quais tratamentos e tecnologias farão parte do rol de procedimentos dos planos de saúde é uma decisão coletiva, da qual todos podemos participar. A cada dois anos, a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) avalia novos medicamentos e procedimentos em saúde e decide o que será incluído na lista de cobertura dos planos. “Isso significa que se um novo medicamento ou procedimento for incorporado ao rol, os planos de saúde são obrigados a disponibilizar aquela tecnologia para seus clientes”, detalha Carolina Cohen, cofundadora da Colabore Com o Futuro.

Nesta consulta pública a população pode e deve se manifestar deixando a sua opinião sobre as recomendações de atualização do rol da ANS. “E nessa hora a participação da sociedade civil é muito valiosa, já que a decisão sobre a atualização do rol afeta diretamente a vida desses 47 milhões de brasileiros que possuem planos de saúde”, destaca a cofundadora da Colabore com o Futuro.

O calendário de atualização do rol já está em andamento e a Colabore com o Futuro quer ajudar a sociedade civil a ser ativa nessas decisões, que são tão importantes para a saúde brasileira. A consulta pública é o momento para fortalecer a participação social nesse processo.

Sobre a Colabore Com o Futuro

A Colabore com o Futuro é o primeiro negócio social de advocacy da América Latina e convoca a sociedade a participar das decisões de saúde junto ao governo, criando de maneira transparente e sustentável políticas públicas mais democráticas, justas e efetivas. A organização é a força que une a população, o mercado e os representantes da administração pública em torno de um sistema que garanta o acesso à saúde para todos.

Deixe uma resposta