Felipe Augusto aplicará medida de restrição de circulação proposta pelo governo do estado

Guarda Civil auxiliará Polícia Militar no período de restrição de circulação

 O prefeito de São Sebastião, Felipe Augusto, apoiará a restrição de circulação anunciado nesta quarta-feira (24) pelo governo do Estado,  que pretende reduzir a circulação de pessoas no período das 23h às 5h, a partir desta sexta-feira (26) até 14 de março..

“A cidade de São Sebastião recebe essa notícia do governo do Estado, como uma medida menos punitiva em relação comércio de nosso município. Nós iremos adotar uma fiscalização rígida e, principalmente, ações de orientação. A Guarda Civil Municipal (GCM) estará nas ruas, ao lado da Polícia Militar, auxiliando nesse período, das 23h e 5h”. Destacou Felipe Augusto.

O prefeito lembrou que em São Sebastião já está valendo o fechamento do comércio às 23h. “Portanto, para nós é mais uma importante medida de enfrentamento ao Covid e que será aplicada”. Afirmou Felipe.

Ao afirmar que São Sebastião cumprirá a determinação do governo estadual, o prefeito lembrou os números positivos da cidade. O município está, nesta quarta-feira (24), com apenas seis pessoas internadas, um intubado e taxa de recuperação de 93%.

Restrição de circulação

De acordo com o anúncio do governo estadual, nesta quarta-feira (24), todo o Estado de São Paulo estará em restrição de circulação das pessoas, das 23h às 5h, a partir desta sexta-feira (26) até 14 de março. Somente os serviços essenciais poderão funcionar durante este horário.

Segundo o governo estadual, a medida tem o objetivo de tentar frear o aumento de pacientes internados em leitos de UTI nos últimos 10 dias. O governo do Estado afirma que somente nesta semana, a alta chegou a 9,1% e, se nada mudar, a projeção é de que as vagas nas unidades de tratamento intensivo se esgotem em três semanas.

Atualmente as taxas de ocupação das UTIs são de 69% no Estado e de 69,3% na Grande SP. De acordo com os dados oficiais apresentados nesta quarta, São Paulo contabiliza 2 milhões de casos e mais de 58 mil óbitos.

Deixe uma resposta