Hospital de Campanha encerra atividades em Ubatuba

Local recebeu 46 pacientes; avaliação da secretaria de Saúde é positiva

Dia 29 de setembro é o último dia de instalação do Hospital de Campanha em Ubatuba. A secretaria de Saúde divulgou um balanço sobre as atividades do local, que recebeu um total de 46 internados durante sua permanência no atendimento aos pacientes com Covid-19 na cidade.

Durante todo o tempo, o Hospital foi administrado pelo Instituto de Apoio a Políticas Públicas (IAPP), responsável pela adaptação do espaço e por sua gestão, incluindo equipamentos, insumos e contratação de profissionais, por meio do processo administrativo 5175/2020 e contrato 33/2020.  A documentação específica pode ser encontrada no Portal da Transparência: https://transparencia.ubatuba.sp.gov.br/licitacao/modalidades.php .

São 30 dias para montagem e desmontagem da estrutura e 90 dias de permanência em atividade: o funcionamento teve início em julho deste ano.

Internação

A diretora de supervisão de Saúde Especializada da Prefeitura, Olívia Samersla, explicou que o modelo de internação adotado no local foi o de coorte geográfica, preconizado pela ONU (Organização das Nações Unidas), que implica que, para ser encaminhado ao Hospital de Campanha não era obrigatório testar positivo para a Covid-19 – se a pessoa apresentasse algum tipo de sintoma ou sinais clínicos, o paciente era encaminhado ao local para realizar todos os exames necessários até a confirmação ou não do diagnóstico.

A média de tempo de internação foi de sete a dez dias. Do total de 46 internações, três, infelizmente, evoluíram mal, foram transferidos e faleceram alguns dias depois; nove negativaram após os exames e 37 foram recuperados.

“Nesses três meses de funcionamento, a capacidade de internação se manteve de 30% a 40%. Avaliamos positivamente, porque indica que todas as ações que a municipalidade adotou, referente a distanciamento social e medidas de contenção da propagação do vírus foram eficientes. O fechamento do comercio e isolamento social foram fundamentais para que conseguíssemos manter a situação sanitária sob controle”, comemorou.

“O que justificou a montagem do Hospital foi um estudo do instituto Adolpho Lutz, elaborado especificamente para Ubatuba, contanto com a taxa de isolamento social de 62%. Se nenhuma medida sanitária tivesse adotada na época, teríamos alcançado as taxas previstas pelo estudo, que eram de 1500 gravemente contaminados e cerca de 315 óbitos”, destacou a diretora.

Encerramento

Apesar do encerramento das atividades do Hospital, Olívia comentou que alguns equipamentos ficarão para o uso da municipalidade, como ventiladores, mobiliários hospitalares e medicações.

“Todas as coisas que irão ficar estão sendo catalogadas e serão direcionadas para os equipamentos de Saúde. Vamos conseguir assistir a Santa Casa – inclusive com medicações; atenção básica e pronto-atendimentos”, garantiu.

Balanço

*Até 28 de setembro:  total de 46 internados;

*Todos fizeram cinco refeições ao dia;

*Equipe: enfermeiros, técnicos de enfermagem, farmacêuticos, fisioterapeutas, médicos intensivistas, equipe de higienização, auxiliares de farmácia, além de controladores de acesso e equipe administrativa, como técnicos de informática e recepcionista;

*Leitos: 38 leitos de média e baixa complexidade e dois leitos de UTI para estabilização de pacientes;

*Estrutura:  área de recepção e controle de acesso, laboratório, farmácia, refeitório e banheiros com chuveiros para os profissionais. Uma ambulância UTI também esteve à disposição 24 horas por dia.

Deixe um comentário