Moradora leva susto ao encontrar ‘Jararaca’ no quarto de casa em Caraguatatuba

Um vídeo que circula na internet mostra o pânico da mulher ao avistar a cobra no quarto

Uma moradora de Caraguatatuba levou o maior susto quando avistou uma jararaca no seu quarto na noite deste sábado (16/10) no bairro Pontal de Santa Marina, região Sul da cidade.

Assustada a mulher ligou para 0 COPOM da Polícia Militar que acionou as equipes para atender a ocorrência. Uma equipe do Corpo de Bombeiros e Polícia Militar Ambiental resgataram a cobra. No bairro há muitos terrenos baldios e com mato alto. Tudo indica que a jararaca se perdeu e saiu do seu habitat, entrando na casa da moradora.

Segundo moradores, essa não é primeira vez que animais peçonhentos aparecem nas residências deixando as pessoas em pânico. Os moradores apontam como provável causa os terrenos baldios. Na semana passada uma outra jararaca de quase dois metros assustou um grupo de pessoas que voltava para casa ao ver a cobra atravessando a rua. (Veja vídeo)

A jararaca possui corpo marrom com manchas triangulares escuras e região ao redor da boca com escamas de cor ocre uniforme, peculiaridades que propicia uma excelente camuflagem. Também é conhecida por jararaca-do-campojararaca-do-cerradojararaca-dormideirajararaca-preguiçosa e jararaca-verdadeira.[1] Sua cor é marrom com amarelo escuro com rajas pretas. Perigosa, prepara o bote ao ver se aproximar qualquer ser. A cabeça tem uma faixa marrom que segue por trás do olho, dos dois lados da cabeça, de volta ao ângulo da boca tocando os três últimos supralabiais. A cor da língua é preta, e sua íris é ouro a ouro esverdeado.

A Organização Mundial da Saúde incluiu recentemente o ofidismo (acidentes provocados por serpentes venenosas) como uma doença tropical negligenciada. No Brasil, as mordidas de jararaca (Bothrops jararaca) respondem por cerca de 90% do total de acidentes com humanos envolvendo serpentes. O veneno da jararaca pode provocar lesões no local da mordida, tais como hemorragia e necrose que podem levar, em casos mais graves, a amputações dos membros afetados.

Deixe um comentário