Prefeito recebe novo gestor do Parque Estadual de Ilhabela e anuncia reforma das sedes operacionais do Morro da Cruz

O Termo de Cooperação Técnica, que prevê o Plano de manejo do Parque, também foi destacado durante a apresentação do gestor Chico Honda

 O prefeito de Ilhabela, Márcio Tenório, recebeu na tarde dessa quinta-feira (08), o novo Gestor do Parque Estadual de Ilhabela, o geógrafo Francisco de Assis Honda (Chico Honda). Na oportunidade anunciou a liberação da reforma das sedes operacionais do Parque, do Morro da Cruz, com um investimento de R$270 mil.

Juntamente com o novo gestor, estavam presentes o Diretor executivo da Fundação Florestal, Rodrigo Levkovicz, e a assessora da Diretoria Executiva da Fundação Florestal, Joana Fava Cardoso Alves. E para recepcioná-los, os secretários Ricardo Fazzini (Desenvolvimento Econômico e do Turismo), Maria Salete Magalhães (Meio Ambiente) e Rogério De Lucca (Planejamento Urbano, Obras e Habitação) e o vereador e líder do Governo no Legislativo, Dr. Thiago Souza.

Durante o encontro de boas-vindas, o chefe do Executivo, confessou que estava muito ansioso para esse momento, que era muito aguardado pela Administração. “Tenho certeza que a nossa parceria será um sucesso. Vamos estreitar o relacionamento da Prefeitura com o Parque, fato que não existia no passado”.

Para Chico, a expectativa é buscar um fortalecimento institucional: “Vamos trabalhar no coletivo, na gestão desse complexo insular, que é o Parque Estadual de Ilhabela”.

Sobre a reforma da sede do Parque, Tenório enfatizou que atualmente os dois prédios que compõem a sede operacional estão deteriorados, principalmente por falta de manutenção. O objetivo é dar plenas condições para receber visitantes e pesquisadores, assim como, oferecer conforto aos funcionários.

De acordo com diretor da Fundação, Chico Honda é um gestor pé no chão, de trabalhar com as equipes e uma indicação estritamente técnica. “A vinda do Chico vai nos ajudar a implantar o plano de manejo. E estamos colocando toda a equipe da Fundação Florestal a disposição, com apoio do setor de engenharia, assim como, do corpo técnico e administrativo”, enfatizou Rodrigo.

Outra ação de extrema importância que também foi destacada é o Termo de Cooperação Técnica, firmado entre a Prefeitura e Fundação para a Conservação e a Produção Florestal de São Paulo, para a implantação do Plano de Manejo do Parque Estadual de Ilhabela. O convênio foi assinado ano passado, e agora com a chegada do novo gestor, os secretários de Turismo, Obras e Meio Ambiente, já se adiantaram e marcaram reuniões de trabalho, para darem continuidade às próximas fases.

Segundo Ricardo Fazzini, é importante ressaltar que é a primeira vez que a Prefeitura faz convênio com o Parque. “O último investimento foi feito em 1974, quando o prefeito da época, Roberto Fazzini, teve a ideia de transformar Ilhabela num parque e junto com o governador Paulo Egydio Martins, delimitaram a área de Parque. Agora estamos elaborando um Plano de Gestão Conjunta que envolve as secretarias de Turismo, Meio Ambiente e o Parque Estadual. Um convênio na ordem de R$ 6,5 milhões”. Fazzini ressaltou que o Plano envolve desde a estruturação do Parque, infraestrutura, sinalização, demarcação, construção da sede administrativa, operacional e de visitação, assim como a parte de recursos humanos e de equipamentos.

O convênio já está em andamento, avançado nas questões fundiárias, das áreas que serão desapropriadas para construção das sedes. Os processos físicos, serão elaborados com o suporte técnico da Fundação Florestal, que fará a elaboração dos projetos, como o da sede do Parque e das torres de birdwatching, dando maior agilidade ao processo.

O novo Gestor do Parque Estadual de Ilhabela

Chico Honda é geógrafo de formação e trabalha com o sistema ambiental há 18 anos. Vem de experiência de gestão da Região Metropolitana e agora tem a oportunidade de iniciar no complexo insular. Foi coordenador da operação corta-fogo do polo do Parque Estadual de Juquery, Franco da Rocha (SP). E participou do processo de criação das novas unidades de conservação do contínuo Cantareira.

Deixe um comentário