Vereadores de Ilhabela apresentam indicações homenageando personalidades caiçaras

Os vereadores de Ilhabela apresentaram na sessão ordinária da última terça-feira (11/05), no mês da Cultura Caiçara, indicações homenageando personalidades do município que prestaram relevantes serviços à Cultura Regional.

As homenagens sempre acontecem na segunda semana de maio, em conformidade a Lei 999/2013, mas devido a pandemia do novo Coronavirus e a atual Fase de Transição e restrições, a entrega dos Certificados de reconhecimento público será agendada assim que o Estado avançar para a Fase Laranja do Plano SP.

A presidente da Casa, vereadora Diana Matarazzo, irá homenagear o senhor Antônio de Oliveira, conhecido como “Tonho”, que aos 15 anos começou a pescar e aprendeu com seu pai, Dito Oliveira, a fazer diversos artesanatos, como barcos, canoas, veleiros, navios, tudo confeccionado com madeira. Até os dias de hoje Tonho trabalha como autônomo e sempre fala sobre a burocratização, sobre as leis do pescador e fiscalizações, que fazem com que os caiçaras tradicionais, tenham cada vez menos recursos para poder se sustentar. Tonho diz que ama a cidade onde nasceu e vive, e não troca por nenhum outro lugar no mundo.

O vereador Alessandro Vieira (Alessandro Abençoado), indicou o reconhecimento ao senhor Davi Borges, por sua paixão pela cultura caiçara e seu trabalho manual. Sua inspiração por arte surgiu a partir da observação dos barcos produzidos pelos irmãos mais velhos. Desde os anos 80 cria itens com os mais diversos materiais, e veio aprimorando seus conhecimentos, usando técnicas próprias, principalmente na confecção de barcos. Atualmente Davi tem realizado produções para premiações de eventos, levando a cultura regional e o nome de Ilhabela através das suas obras pelos muitos atletas que participam dos mais diversos eventos na cidade. O artista ressalta que a arte é expressar um sentimento, sua história e paixão.

A senhora Antônia da Conceição Silva dos Santos, conhecida como dona Toninha será homenageada pelo vereador Edilson dos Santos (Edilson da Ilha), que desde muito nova trabalhava na roça ajudando seus pais. Em sua infância, a diversão era pescar, brincar com seus irmãos e participar das festas religiosas que aconteciam no Sul da Ilha. Depois de casada, para ajudar no sustento da casa começou a vender doces e frutas e mais tarde abriu a “barraquinha da dona Toninha”, ponto de parada para os alunos da escola Anna Leite, onde também vendia salgadinhos e pães. Foi do trabalho da barraquinha que dona Toninha investiu na vida educacional e profissional dos seus filhos.  Todos seus esforços foram repletos de lutas e vitorias, pois representa um legado de humildade, sabedoria, determinação, esforço e simplicidade para as futuras gerações.

O vereador Ezequiel Alves (Ezequiel Cabeleireiro) indicou para receber o certificado, o senhor Otoniel de Souza de Jesus, conhecido como Tone. Desde muito pequeno trabalhava na plantação e na pesca. Em determinado momento da vida, admirado pelo trabalho de seu tio paterno, começou a fazer remos e foi se aperfeiçoando para enriquecer a cultura do seu povo. Hoje este trabalho também contribui como uma fonte de renda para ajudar no sustento da família. Além do remo, continua pescando, larga sua rede, pesca de linha e de rede boiada. Caiçara nativo, desde criança vivenciou histórias e aprendeu uma cultura que vem sendo passada de geração em geração.

Será homenageado pelo vereador Felipe Gomes, o senhor José Carlos do Nascimento, conhecido como Zé. Artesão, marinheiro e bacharel em direito, sempre esteve envolvido com as tradições culturais. Trabalhou como marinheiro autônomo por 40 anos, mas há 10 anos tem se dedicado ao artesanato. Ele enxergou na arte uma maneira de manter vivas as tradições caiçaras, especialmente na confecção das réplicas das canoas boneteiras bordadas em fibra de vidro ou madeira de reciclagem, ofício que aprendeu observando seu tio Osmar, um dos mestres canoeiros do Bonete. No início deste ano Zé foi entrevistado pelo arqueólogo e historiador, Dr. Plácido Cali, para compor o inventário do Patrimônio Imaterial de Ilhabela. Zé espera poder passar seu conhecimento para as novas gerações e garantir que a tradição das canoas boneteiras bordadas seja imortalizada.

O vereador Alexander Augusto (Leleco Augusto) indicou como homenageado o senhor Caciano Gonçalves Barnabe. Sempre foi apaixonado por instrumentos musicais, samba e pagode, era autodidata e tocou profissionalmente aos 17 anos de idade.  Nos anos 80 participou do grupo chamado os Caiçaras do Ritmo. Gravou um CD com músicas caiçaras de sua autoria. Com a gravação do CD, ele participava de eventos nas escolas da cidade, levando a cultura caiçara para os alunos. Uma das suas maiores alegrias é passar a cultura caiçara para seus netos e bisneto como a Cantoria de Reis – também conhecida como Folia de Reis.

Indicação do vereador Raul Cordeiro (Raul da Habitação), o senhor Ezio Lucio dos Santos, “seu Ezio”, é um símbolo de resistência caiçara e amor à cultura. Sempre esteve no mar e já trabalhou como marinheiro. Hoje, segue com seu barco de pesca e conta com a ajuda de alguns filhos para continuar pescando com as redes que ele mesmo fabrica com suas mãos ágeis e eficientes. Ele aprendeu a prever o tempo e passou essa habilidade para seus filhos, e também aconselha que sigam no caminho certo e que, apesar dos avanços, nunca deixem as tradições de lado. Mesmo com seus 70 anos, seu Ezio garante que não pretende parar com as atividades voltadas à pesca e incentiva que seus herdeiros sigam os mesmos passos, segundo ele, para que a cultura caiçara não morra nunca.

O vereador José Pereira (Zé Preto) irá homenagear o senhor Manoel Benedito de Carvalho. Começou sua vida como pescador, mesma profissão do seu pai e avós, aprendeu a nadar e remar, entre outros ofícios. Como atleta, representou nossa cultura e levou o nome de Ilhabela aos pódios de vários campeonatos de canoagem e natação. Os primeiros troféus vieram nos campeonatos municipais de canoagem e logo vieram os campeonatos Brasileiros, campeão por três vezes consecutivas. Participou do campeonato Mundial de canoagem em meados de 2014 (Categoria Veterano) no Taiti, (maior Ilha da Polinésia Francesa), ficando entre os 10 primeiros colocados. Também esteve na competição de natação em torno de Ilhabela, percorrendo 360 km em pouco mais de dois dias, revezando com outros atletas. Em toda essa trajetória, Manoel acumulou 400 medalhas e 400 troféus, das quais tem muito orgulho.

Deixe uma resposta