Ave marinha em reabilitação no Instituto Argonauta recebe tratamento com acupuntura

Trinta-réis-de-bando foi encontrado por um praticante de Stand Up no final de junho deste ano no canal de São Sebastião, e permanece em tratamento no Centro de Reabilitação e Despetrolização de Ubatuba

A equipe do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) do Instituto Argonauta para Conservação Costeira e Marinha não mede esforços para garantir o melhor tratamento para a fauna marinha durante todo o processo de reabilitação. A exemplo disso, um trinta-réis-de-bando (Thalasseus acuflavidus) recentemente recebeu um protocolo terapêutico que consiste em introduzir pequenos implantes de ouro no animal em pontos de acupuntura.

A ave foi encontrada no final de junho deste ano boiando no canal de São Sebastião, e foi entregue na Unidade de Estabilização (UE) do Argonauta situada na mesma cidade. Na Unidade, os técnicos identificaram que o animal possa ter colidido contra alguma embarcação no mar, e apresentava sinais de desidratação, estava magro e com a impermeabilização comprometida. Ele foi encaminhado para o Centro de Reabilitação e Despetrolização de Ubatuba e, desde então, continua recebendo tratamento especializado para sua recuperação.

A médica veterinária MSc. Raquel Beneton Ferioli, Veterinária Responsável Técnica do Instituto Argonauta no CRD de Ubatuba, observa que a colocação de implantes de ouro em seis acupontos foi necessária para recuperar uma lesão articular no membro inferior esquerdo do trinta-réis, que também apresenta falha na impermeabilização. “Ele passou por diversos tratamentos, mas ainda assim não conseguia se manter em pé. Foi então que planejamos uma tentativa de protocolo terapêutico com o uso de implantes de ouro em pontos de acupuntura, procedimento já utilizado na medicina veterinária com resultados promissores no controle de dor crônica”, detalhou a veterinária. Segundo Raquel, a expectativa é que ele responda bem ao tratamento, para que possa ser devolvido à natureza. “Esperamos que ele permaneça sem dor e apresente melhora na condição de impermeabilidade da plumagem, atendendo assim aos critérios de soltura”, completou.

Fotos: Divulgação/Instituto Argonauta

O procedimento terapêutico foi realizado em parceria com a clínica veterinária Holosvet, situada no município de Penápolis/SP, cujos médicos veterinários responsáveis são os profissionais Gustavo Calasans e Carolina Spera.

Cabe ressaltar que embora tenham sido utilizados pequenos pontos de ouro, o custo do material é irrisório perto do benefício de salvar a vida do animal. O valor desprendido com os implantes foi de R$ 40, um custo menor que a maioria dos medicamentos.

 Por que o ouro?

Os implantes de ouro em pontos de acupuntura são utilizados principalmente em casos de doenças articulares. O ouro é capaz de emitir uma carga elétrica positiva mínima que neutraliza a carga negativa existente especialmente em casos de doenças crônicas.

O médico veterinário Gustavo Calasans explica que nas doenças articulares, há um excesso de carga negativa no tecido que leva a uma acumulação de ácido localizada. “A dor aumenta à medida que a carga negativa vai aumentando, e o implante de ouro é capaz de sessar esse desequilíbrio”, comentou.

As lesões osteomusculares são ocasionadas principalmente pelas consequências das práticas nocivas do homem em sua relação com o Meio Ambiente. “O implante de ouro atua como grande aliado na reabilitação de lesões articulares e possibilita uma nova chance de soltura para animais com estas lesões”, finaliza a veterinária Raquel.

 

Deixe uma resposta